DÓLAR HOJE:
Euro Hoje
14 de julho de 2024
Search
Close this search box.

Hortênsias News

Câmara promove audiência pública sobre Operação Urbana Consorciada proposta pela Gestão Municipal 

Compartilhe este artigo

Executivo propõe Operação Consorciada para o Lago Negro - Gramado - Jornal de Gramado
O Projeto de Lei Ordinária (PLO) 016/2022, que institui a Operação Urbana Consorciada Lago Negro – juntamente às Mensagens Retificativas 006 e 007/2022 – tramita na Câmara de Vereadores de Gramado e será tema de audiência pública na próxima quarta-feira, dia 1º de junho.

O encontro, promovido pela Comissão de Infraestrutura, Turismo, Desenvolvimento e Bem-Estar Social, ocorrerá a partir das 18 horas.

A comunidade poderá acompanhar e se manifestar presencialmente no plenário Júlio Floriano Petersen ou virtualmente por meio de transmissão ao vivo pelo Facebook e canal do Youtube da Câmara.

Segundo o Executivo, proponente do projeto, a Operação Urbana objetiva promover a adequação de infraestruturas necessárias para dar suporte ao adensamento populacional e ao desenvolvimento econômico e turístico do município e da região; melhorar as condições de acesso e mobilidade no local; valorizar a paisagem e o ambiente urbano com arborização e ajardinamento; promover a criação e instalação de equipamentos públicos e privados, áreas de lazer e próprias à circulação de pedestres e ciclistas; e aumentar a oportunidade de trabalho.

A Operação elenca problemáticas identificadas pelo Executivo Municipal no entorno do Lago Negro. O intuito, segundo a Prefeitura, é alcançar, junto à iniciativa privada, soluções alinhadas ao desenvolvimento do turismo e à valorização ambiental da região.

Abandono do Carriéri

Em um dos estudos que consta no PLO, a Prefeitura destaca a situação da área conhecida como Carriéri. “A área atingida pela Operação Urbana Consorciada é a parte alta do Loteamento Vila Planalto.

Se caracteriza por lotes de grande dimensões, em que eram admitidos em planos diretores passados o uso residencial plurifamiliar, mas que acabou sendo proibido nas últimas revisões, gerando um ambiente de pouca urbanidade, pessoas caminhando nas ruas, densidade construída e demográfica mais intensa, sobreposição de usos e interesses e etc.

Esta característica resultou no abandono da área. Aliado a estas questões de urbanidade e contribuindo para uma sensação de insegurança, está o abandono de parte do conjunto de áreas públicas”, aponta o documento.

Fonte: Ascom CMG
Foto: Arquivo GES

Compartilhe este artigo

Deixe seu comentário

Para comentar na página você deve estar logado em seu perfil do Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral poderão ser denunciados, acarretando até mesmo na perda da conta. Leia os termos de uso e participe com responsabilidade.